16 de out de 2007

Crise de identidade intelectual

Hoje passei o dia sonando...
Ah que sono enfadonho a inteligência média provoca em mim.
A ausência de uma inteligência astuta e desafiadora faz com que o tempo corra sem qualquer produtividade de senso criativo ou desenvolvedor.
Há algum tempo deixei de lado a hipocrisia e passei a assumir alguns aspectos de mim. Um deles é afirmar com relativa seguraná que sou superior a outras pessoas.
Essa soberba que declaro sem qualquer pudor, é relativa porque ao me comparar com os "outros" me deparo com uma mediocridade tal, que afirmar ser melhor não é nenhum disparate.
A mediocridade invade a alma humana de uma forma tão avassaladora que o estado de inércia de qualquer ser superior não denota a eles qualquer expressão, eles simplesmente não notam.
A alguém do meu nível é possível transitar de forma premeditadamente inutil entre os demais sem chamar qualquer atenção ou desconfiança.
E essa ignorância massificada que domina o país de forma que sou hoje obrigada a reconhecer alguma inteligência em nosso presidente e tantos outros. Afinal eles passam desapercebidos por todos, ainda que não façam qualquer das coisas que deveriam, eles são munidos por essa inteligência aquém da mediocridade institucionalizada.
Deus, agora me pergunto se sou tão inútil quanto o presidente, ou se ele é tão inteligente quanto eu que passa sonolento por todos.

Nenhum comentário: